Portal de apoio a comunidade

Fake News: A (Des)informação

9 de julho de 2018

Por Ana Luísa Calmon

 

Vivemos sob uma avalanche de informações a cada segundo e todo o mundo está  à um clique de distância. Em meio a esse cenário, às vezes é difícil saber o que é verdadeiro ou não, por isso, nos últimos tempos, houve um aumento considerável na propagação das famosas “Fake News”, as notícias falsas. As Fake News consistem na distribuição de informações ilegítimas, ou boatos, através de jornal impresso, rádio, televisão ou mídias sociais, utilizando diversos meios e artifícios para que as mesmas pareçam reais e sejam atrativas aos olhos do público.

As notícias falsas sempre existiram, mais precisamente, pelo menos desde a Idade Antiga, do século VI, de acordo com Robert Darnton, historiador e professor emérito da Universidade Harvard, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo. Entretanto, atualmente, a situação virou um fenômeno recorrente, principalmente na internet. A todo momento chegam nas nossas redes sociais ou passam pelo nosso newsfeed milhares de vídeos, foto

s e notícias urgentes, manchetes escandalosas, polêmicas, que em sua maioria têm como objetivo chamar a atenção mesmo que não sejam informações verídicas. O principal problema nesse caso é que muitas vezes as pessoas pensam estar fazendo uma coisa boa ao compartilhar as notícias, passando adiante uma informação que acreditam que vai ajudar ou proteger alguém.

Para ajudar a combater a disseminação de notícias falsas e explicar os seus perigos, um grupo de investigadores britânicos da Universidade de Cambridge criou um jogo, o “BadNews”, para mostrar, de forma interativa, o efeito que as ditas Fake News podem ter no dia a dia. O propósito do jogo é que o usuário “se coloque no lugar” dos criadores e disseminadores de Fake News, fazendo o que eles fazem, entendendo, desta forma, como são criadas e divulgadas as notícias e aprendendo a evita-las posteriormente na vida real.

De acordo com Sander van der Linden, do Departamento de Psicologia da Universidade de Cambridge, “A ideia é que, uma vez observadas e utilizadas as táticas [para criar fake news] no jogo, [o jogador] crie uma resistência. Queremos que o público aprenda o que as pessoas [as que criam notícias falsas] estão a fazer, pondo-se no seu lugar”.

É muito importante que as informações que recebemos sejam avaliadas e que nós não compartilhemos qualquer notícia sem checarmos as fontes e veracidade dos dados presentes nelas. Não seja um colaborador das Fake News!