Portal de apoio a comunidade

Gravidez na Adolescência

21 de dezembro de 2015

Por Amanda Vitória

Tomar decisões como abandonar os estudos e deixar os sonhos para segundo plano pode fazer parte da vida das adolescentes que engravidam por não usar métodos contraceptivos nas relações sexuais. Em alguns casos, as mulheres optam por fazer um aborto e este assunto, ainda, é muito delicado, principalmente, quando ocorre na adolescência. “Eu pensei sim em abortar, mas eu não poderia deixar alguém pagar pelos meus erros. Eu ainda tenho sonhos, não desisti e nem vou, mas agora minha prioridade é meu filho”, contou em entrevista a jovem R.P., que aos 16 anos teve seu primeiro filho.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) as mulheres estão se tornando mães com idade mais avançada e a gravidez na adolescência está diminuindo no Brasil. O levantamento divulgado em dezembro de 2013 demonstra que a mulher posterga a ideia de ser mãe para antes se estabelecer no mercado de trabalho e estudar. A pesquisa apresenta, ainda, a queda de aproximadamente 3% no índice de gravidez na adolescência, se comparadas às taxas de 2002 e 2012.

Ao contrário da mulher adulta, que geralmente percebe a gravidez logo no início, a adolescente tende a demorar a perceber, pois acha que isso nunca irá acontecer com ela. Consequentemente, a demora em iniciar um pré-natal ou a interromper a gestação em locais que vivem na ilegalidade gera muitos riscos para a mãe e para o feto.

“É fundamental dialogar com nossos filhos sobre sexualidade. O melhor caminho é conversar para que eles venham a se preparar para o futuro. A primeira informação tem que partir da família para que não ocorram surpresas”, segundo a mãe da jovem R.P.

Evitar estas situações indesejadas é uma preocupação de pais e educadores, que devem conversar sobre a sexualidade, independente da cultura e religião. A abertura para o diálogo por parte dos pais e a inclusão deste assunto no ambiente escolar são os caminhos para que todos fiquem bem informados e sejam responsáveis pelos seus atos.